Best Practices in Brazilian Companies

  • Catia dos Reis Machado Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina.
  • Aline França de Abreu Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina
  • Manoel Agrasso Neto Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina
Keywords: competitive intelligence, knowledge management, organizational intelligence, brazilian companies.

Abstract

Competitive intelligence (CI) is a systematic and ethical collection, analysis, dissemination and management of information about the external environment that may affect the plans, decisions and operations of the organization. Knowledge management (KM) can be seen as a tool to promote organizational knowledge through the use of activities designed to identify, create, store, share and use knowledge. Companies face a challenge in the era of knowledge, it is the extraction and management of knowledge produced by people in the organization. CI and KM combined generates organizational intelligence. The exploratory study, based on literature and multicase study, we sought to identify best practices in processes of CI and KM in Brazilian companies. We identified practices related to the CI design process, the stages of the CI, the use of networks, and knowledge management. We also identified, points of attention on the internal/external organizational environment.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...

Author Biography

Manoel Agrasso Neto, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção  e Sistemas

References

ABRAIC. (2010). Disponível em: HTTP://www.abraic.or.br/v2/glossario.asp?letra=A. Acesso em 15/12.

ABREU, A. F et al. (2008). Inteligência competitiva. In: CORAL, E.; OGLIARI, A.; ABREU, A. F. Gestão integrada da inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. São Paulo: Atlas, 2008. Cap. 6, p. 113-135.

ALVARENGA NETO, R.C.D. (2005). Gestão do conhecimento em organizações: proposta de mapeamento conceitual integrativo. 2005. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

APQC American Productivity & Quality Center. (1999). Strategic and Tactical Competitive Intelligence for Sales and Marketing, 1999. Disponível em: <http://www.researchandmarkets.com/reports/42812>. Acesso em: 22 mar. 2009.

BENSOUSSAN B. (2003). The 'Value Add' to Information. Paper presented at the 11th Information Online Conference and Exhibition. Sydney, Austrália. 2003. Disponível em: <http://conferences.alia.org.au/online2003/papers.html>. Acesso em: 15 abr.

BENSOUSSAN, B.; FLEISHER, C. S. (2003). Strategic group analysis. Competitive Intelligence Magazine, v.6. n.1, p.12-16.

BERNHARDT, D. (2003). Competitive Intelligence: How to acquire and use corporate intelligence and counter-intelligence. New York:Prentice Hall, Finantial Times.

BOSE, R. (2008). Competitive Intelligence Process and Tools for Intelligence Analysis. Industrial Management & Data Systems, v. 108, n. 4, p. 510-528.

BOUTHILLIER, F.; SHEARER, K. (2003). Assessing competitive intelligence software: a guide to evaluating CI technology. Medford, NJ: Information Today.

CARDOSO JÚNIOR, W. F.; CARDOSO, A. C. F. (2005). Monitoramento focado: inteligência competitiva “varrendo o entorno” com redes de colaboradores. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E GESTÃO DO CONHECIMENTO.

CEN. (2004). European guide to good practice in knowledge management. Part 1: Knowledge Management Framework, European Committee for Standardization.

CHOO, C. W. (2003). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. Trad. Eliana Rocha. São Paulo: Ed. Senac.

DRUCKER, P. A. (1999). Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Editora Pioneira.

ERIKSSON, M. (2008). Organizing intelligence requires more than key intelligence topics. Competitive Intelligence Magazine, v.11, n. 1, p.16-20.

FLEISHER, C. S. (2003). Should the field be called Competitive Intelligence or something else? In: FLEISHER, C. S.; BLENKHORN, D. L. Controversies in Competitive Intelligence: the enduring issues. Preager Publisher.

FLEISHER, C. S.; BENSOUSSAN, B. (2008). Business and competitive analysis - what? so what? now what?. Paper presented at Society of Competitive Intelligence Professionals Annual Conference, San Diego, California.

FLEISHER, C. S.; BENSOUSSAN, B. E. (2000). A FAROUT way to manage CI analysis. Competitive Intelligence Magazine, v. 3, n. 02, p. 37-40.

GOMES, E.; BRAGA, F. (2004). Inteligência competitiva: como transformar informação em um negócio lucrativo. Rio de Janeiro. Elsevier.

HERRING, J. P. (1999). Key intelligence topics: a process to identify and define intelligence needs. Competitive Intelligence Review, v. 10, n. 2, p. 4-14.

HOHHOF, B. (2007). Early warning process. Competitive Intelligence Magazine, v. 10, n. 3.

KAHANER, L. (1996). The basics of competitive intelligence. In: Competitive Intelligence: How to Gather Analyze and Use Information to Move Your Business to the Top. New York : Simon & Schuster, 1996. PART ONE. Disponível em: . Acesso em: 6 mar.

KRIZAN L. (1999). Intelligence Essentials For Everyone. Occasional Paper Number Six. Joint Military Intelligence College, Washington, DC, 1999. Disponível em: <http://www.ndic.edu/press/8342.htm#>. Acesso em: 9 fev.

MARCIAL, E. C. (2007). Utilização de modelo multivariado para identi?cação dos elementos-chave que compõem sistemas de inteligência competitiva, 2007, Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade de Brasília, Brasília.

MACHADO, C. R. (2010). Análise estratégica baseada em processos de Inteligência Competitiva (IC) e Gestão do Conhecimento (GC): proposta de um modelo. 2010. 217 f. Tese. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina.

MARCEAU, S.; SAWKA, K. (1999). Developing a world-class CI program in telecoms. Competitive Intelligence Review, v. 10, n. 4, p. 30-40.

MÉLO, M. A. N. (2007). Qualidade e inteligência competitiva no setor e saúde suplementar: proposição de um modelo para a análise da estratégia competitiva. 2007. 217 f. Tese. Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Pernambuco.

MILLER, J. P. (2002). O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman.

MILLER, S. (2009). Competitive intelligence: an overview. Disponível em: <http://unjobs.org/authors/stephen-miller>. Acesso em: 5 mar.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 61-72.

RODRIGUEZ, M. V. R. (2004). Inteligência competitiva e performance financeira: uma associação positiva nos pequenos negócios exportadores de sólidos de madeira certificados.

Conferência Internacional de Pesquisa em Empreendedorismo na América Latina. Anais… CIPEAL, Rio e Janeiro.

RUZZARIN, R. et al. (2002). Gestão por competências: indo além da teoria. Porto Alegre:SEBRAE/RS.

SANTOS, A R. et al. (2001). Gestão do Conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial. Curitiba: Champagnat.

SANTOS, S. C., Almeida, F. C. (2009). Os diferentes conceitos, interpretações e aplicações da Inteligência Competitiva (IC).

Revista Científica da FAI. Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais, v.9, n.1, 2009, pp. 46-58.

SAWKA, K. (2006). Whither analysis? Competitive Intelligence Magazine, v. 9, n. 2.

SBGC. (2011). Disponível em: http://sbgc.org.br/. Acesso em: 02/05/2011.

SVEIBY, K. E. (1998). A nova riqueza das organizações. Rio de Janeiro: Campus.

TERRA, J. C. C. (2001). Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo.Negócio Editora.

TYSON, K. (1998). Guide to competitive intelligence: gathering, analyzing, and using competitive intelligence. Chicago: Kirk Tyson.

VALENTIM, M. L. P. et al. (2003). O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, v. 4, n. 3, jun. 2003. Disponível em: . Acesso em: 4 mai. 2009.

WEISS, A. (2002). A brief guide to competitive intelligence: how to gather and use information on competitors. Business Information Review, v. 19, n. 2, p. 39-47.

Published
2013-04-15
How to Cite
dos Reis Machado, C., França de Abreu, A., & Neto, M. A. (2013). Best Practices in Brazilian Companies. Journal of Technology Management & Innovation, 8, 79-91. Retrieved from https://www.jotmi.org/index.php/GT/article/view/1171