Barriers and Facilitators of Collaborative Management in Technological Innovation Projects

Sonia Regina Hierro Parolin, Eduardo Vasconcellos, Maricilia Volpato, Alisson Marcelo Laurindo

Abstract


Discussions about innovation tend to a more systemic and cooperative approach in which those networks focused on scientific and technological development are considered. This article aims to identify the barriers and facilitators in the collaborative management process of technological innovation projects and a study has been carried out by the cooperation action for innovation with 17 industries in Brazil. The primary evidence refers to the crucial role of project managers when leading the structural demands, and clarity on the relevance of the communication of strategic guidelines among the organizations involved for the achievement of the results in the industries.

Keywords


collaborative management; innovation management; innovation projects.

Full Text:

PDF [en]

References


ALBUQUERQUE, L. G. (2002). A gestão estratégica de pessoas. In FLEURY, Mª. T. L (Org.). As pessoas na organização. Ed. Gente, São Paulo, 35-50.

ALENCAR, E. (1997). A gerência da criatividade. Ed. Makron Books, São Paulo.

ALIAGA, O. A. (2005). A study of innovative human resource development practices in Minnesota companies. Tese de Doutorado em Psicologia. University of Minnesota. http://richardswanson.com/hrdrcreports/Aliaga-2005innovation.pdf. [Accessed November, 4, 2011].

AMABILE, T. M. (1998). How to kill creativity. Harvard Business Review. Boston, sept/oct, v. 76, 5ª ed., 76-87.

CARDINAL, G.; GUYONNET, J. F.; POUZOULLIC, B. (1998). La dinámica de la confianza: construir la cooperación en los proyectos complejos. Desafío Ediciones.

CASADO, T. (2002). A motivação e o trabalho. In FLEURY, Mª. T. L (Org.). As pessoas na organização. Ed, Gente, São Paulo, 247-258.

DUTRA, J. S. (2002). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. Edit. Atlas, São Paulo.

EKVALL, G. (1996). Organizational climate for creativity and innovation. European Journal of Work and Organizational Psychology. 5(1), 105-123.

ENKEL, E.;M GASSMANN, O.; CHESBROUG, H. (2009). Open R&D and open innovation: exploring the phenomenon. R&D Management. 39 (4).

FARIAS, O. O. de; AKABANE, G. K.; BONFIM, W. B. (2006) A inovação tecnológica no Estado de São Paulo e a nova Lei de Inovação. Anais do XIII SIMPEP. Bauru, São Paulo.

FERRIS, G. ; HOCHWART, W. A.; BUCKLEY, M. R.; HARREL-COOK, G.; FRINK, D. D. (1999). Human Resources Management: Some New Directions. Journal of Management. 25(3), 385–415.

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (2005). Manual de Oslo. 3ª. ed. Ministério da Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro. www.finep.gov.br. [Accessed October 25, 2011].

FURTADO, A. T.; CARVALHO, R. Q. (2005). Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparartivo com os países centrais. Revista São Paulo em Perspectiva. 19 (1), jan./ mar, 70-84.

GIL, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. Edit. Atlas, São Paulo.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2008). Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica/ PINTEC. IBGE. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pintec/2003/default.shtm. [Accessed October 25, 2011].

JONASH, R. S. (2001) O valor da inovação: como as empresas mais avançadas atingem alto desempenho e lucratividade. Edit. Campus, Rio de Janeiro.

LAURSEN, K.; FOSS, N. J. (2003). New human resource management oractices, complementarities and the impact on innovation performance. Cambridge Journal of Economics. 243-263.

LEEDE, J. De; LOOISE, J. K. (2005). Innovation and HRM: towards an integrated framework. Creativity and Innovation Management. 14 (2), 108-117.

McLEAN, L. (2005). Organizational culture´s influence on creativity and innovation: a review of the literature and implications for human resource development. Advances in Developing Human Resources. 7(2), 226-246.

MARTIN-ALCAZAR, F.; ROMERO-FERNÁNDEZ, P. M.; SÁNCHEZ-GARDEY, G. et al (2005). Strategic human resource management: integrating the universalistic, contingent, configurational and contextual perspectives. International Journal of Human Resource Management. 16:5, May, 633–659.

MINTZBERG, H. A criação artesanal da estratégia. In MONTGOMEERY, C. (1998). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Edit. Campus, Rio de Janeiro.

MIOTTI, L.; F. SACHWALD (2003). Co-operative R&D: why and with whom?: An integrated framework of analysis. Research Policy, 32, p.1481-1499.

MOTA, T. L. N. G.; LUCCHESI, R. (1998). Arranjos interinstitucionais como indutores de inovação. In: Anais do Simpósio Gestão de Inovação Tecnológica. PGT-USP, São Paulo.

NOLAN, R. L.; CROSON, D. C. (1996). Destruição criativa: um processo de seis etapas para transformar sua organização. Trad. Priscilla Martins Celeste, Ana Beatriz Rodrigues. Edit. Campus, Rio de Janeiro.

PAROLIN, S. R. H.; ALBUQUERQUE, L. G. (2010). Gestão de pessoas para a criatividade em organizações inovativas. Revista Eletrônica de Administração. Edição 67, 16(3), set/ dez, 268-297.

REIS, D. R.; CARVALHO, H. G. (2002). Gestão tecnológica e inovação. In BASTOS, João Augusto S. A. (Org.). Capacitação tecnológica e competitividade: o desafio para a empresa brasileira. IEL/PR, Curitiba, 53-75.

RICHARDSON, R. J. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. Edit. Atlas, São Paulo.

ROESCH, S. Mª A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 2ª ed. Edit. Atlas, São Paulo.

SATO, C. E. Y.; DERGINT. D. E. A.; HATAKEYAMA; K. (2005). Gerenciando Redes Colaborativas, Complexidade e Estratégias Tecnológicas em Integração de Sistemas. Anais do XI Seminário Latino Ibero americano de Gestión Tecnológica.

SBRAGIA, R. (Coord.); STAL, E.; CAMPANÁRIO, M.; ANDREASSI, T. (2006). Inovação: como vencer esse desafio empresarial. Clio Editora, São Paulo.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DO PARANÁ (2011). Relatório Anual de Gestão. SENAI PR, Curitiba.

SLUIS, L. E. C. Van der (2004). Desinging the workplace for learning and innovation. Development and learning organizations. 18 (5), 10-13.

SOCIEDADE BRASILEIRA PRÓ-INOVAÇÃO (2010). Programa SENAI de Inovação: avaliação dos resultados e sugestões de aperfeiçoamento. PROTEC/ UFRJ, Rio de Janeiro.

STAL, E.; FUJINO, A. (2005). As relações universidade-empresa no Brasil sob a ótica da Lei de Inovação. RAI - Revista de Administração e Inovação. São Paulo, 2 (1), 5-19.

SWAN, F.; SUE, N.; SCARBROUGH, H.; HISLPO, D. (1999). Knowledge management and innovation: networks and networking. Journal of Knowledge Management. 3 (4), 262-275.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. (2008). Gestão da Inovação. Tradução de Elizamari Rodrigues Becker et al. 3ª. Edição. Edit. Bookman, Porto Alegre.

TIGRE, P. B. (2006). Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Edit. Elsevier, Rio de Janeiro.

VASCONCELLOS, E.; HEMSLEY, J. (2003). Estrutura das organizações: estruturas tradicionais, estruturas para inovação, estrutura matricial. Edit. Pioneira Thomson Learning, São Paulo.

______.; PAROLIN, S. R. H.; BORDIGNON, J. (2006). Barreiras e facilitadores à inovação: o caso Nutrimental S/A. Revista de Economia Mackenzie. 4 (4), 12-34.

YIN, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e método. Trad. Daniel Grassi. 2a. ed. Edit. Bookman, Porto Alegre.

ZELL, D. (2001). Overcoming Barriers to Work Innovations: Lessons Learned at Hewlet-Packard. Organizational Dynamics. Summer, Vol. 30 Issue 1, p77-86, 10p.




DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242013000300043



Copyright (c)



2017 © Universidad Alberto Hurtado - Facultad de Economía y Negocios. 
Erasmo Escala 1835 - Santiago, Chile.
Economic Analysis Review | Observatorio Económico | Gestión y Tendencias