Awakening the Biodiversity Potential Trough ST&I Investments in the Sector of Amazonian Biotechnology

Fabiana dos Santos e Souza Frickmann, Alexandre Guimarães Vasconcellos

Abstract


The biotechnological development conciliated to Amazonian biodiversity represents a big potential for richness to Brazil. This study analyses the Brazilian investments in ST&I Amazonia’s, utilizing as indicator for that, the resources applied in R&D and the patent appli;cations coming from Amazon, which were filed with the National Institute of Industrial Property during the period from 2003 to 2008. The objective is to analyze how where such investments applied by the Ministry of Science, Technology, and Innovation (MCTI), and which was their impact over the biotechnological inventions of Amazonian origin. In the results, we observed that R$ 1,308.09 million was invested in ST&I in Amazonia. The Amazonian state that attracted the larger part of such resources was Amazonas and 153 patent applications were identified coming from the state of Amazonas; out of which, 56% derived from companies of the Manaus Industrial Pole, and 9% originated from biomedical and alimentary sectors.

Keywords


Brazil; Amazonia; public investments; biotechnology; patents; science, technology and innovation (ST&I); research and development (R&D); innovation; amazonian bioproducts; sustainability

Full Text:

PDF [en]

References


ALBAGLI, S.. 2001. Biodiversidade, pesquisa e desenvolvimento na Amazônia. Amazônia: fronteira geopolítica da biodiversidade. Parcerias estratégicas, nº. 12.

AMAZONAS/FAPEAM. 2009. Relatório de Gestão 2009. Manaus/AM. 79p.

ARRUDA, A. C.. 2009. Rede de inovação de dermocosméticos na Amazônia: o uso sustentável de sua biodiversidade com enfoques para as cadeias produtivas da castanha-do-pará e dos óleos de andiróba e copaíba. Parc. Estrat. Brasilia-DF. v. 14, n. 29, p. 145-172.

BECKER, B. K.. 2009a. Problematizando os Serviços Ambientais para o Desenvolvimento da Amazônia. Uma Interpretação Geográfica. In: Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Brasília. Pp: 87-128.

BECKER, B. K.. 2009b.Uma visão de futuro para o coração florestal da Amazônia. In: Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Brasília. Pp: 38- 86.

BEUZEKOM B, ARUNDEL A.. 2011. OECD biotechnology statistics. (http://www.oecd.org/dataoecd/51/59/36760212.pdf#search=%22OECD%20Biotechnology%20Statistics-2006%22 (acessado em 04 de julho de 2011).

BRASIL/ LEI N°10.973 de 02 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, 2 de dezembro de 2004; 183o da Independência e 116o da República.

BRASIL/MAPA. 2009. Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no Agronegócio. Capítulo 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA. IBSN: 978-85-7426-070-9.página 41.

BRASIL/MCT. 2009. Ciência, Tecnologia e Inovação para a Amazônia. Ministério da Ciência e Tecnologia. 51p.

BRASIL/MMA. 2010. Macro Zoneamento Ecológico Econômico da Amazônia Legal: estratégias de transição para sustentabilidade. Proposta Preliminar para Consulta Pública. Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 164p.(http://www.mma.gov.br/estruturas/225/_arquivos/macrozee___proposta_preliminar_para_consulta_26_jan_225.pdf) acessado em 04 de fevereiro de 2010.

BRASIL/PAS. 2008. Plano Amazônia Sustentável: diretrizes para o desenvolvimento sustentável da Amazônia brasileira. Presidência da República. – Brasília: MMA, 112p. P: 47.

BRASIL/SUDAM. Amazônia Legal: área de atuação/situação geográfica. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, Ministério da Integração Nacional. Presidência da República.–Brasília. (acessado em 16/08/ 2010) http://www.redegoverno.gov.br/defaultCab.asp?idservinfo=35614&url=http://www.ada.gov.br/index.php?option=com_content&task=category&sectionid=9&id=54&Itemid=51

CGEE. 2010. Doutores 2010: estudo da demografia da base técnico-científica brasileira. Brasília, DF. CGEE, 508p.

CLEMENT, C. R. & HIGUCHI, N..2006. A Floresta Amazônica e o Futuro do Brasil. Cienc. Cult. [online]. V. 58, n. 3, pp. 44-49. ISSN 0009-6725.

COSTA, W. M. 2009. A utilização dos recursos florestais não-madeireiros. In: Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE. Brasília.

CRUZ, C. H. B. A.. 1999. A universidade, a empresa e a pesquisa que o país precisa. Revista Humanidades, UnB. 45, pp. 15-29.

ENRÍQUEZ, G. 2009. Amazônia – Rede de Inovação de Dermocosméticos: Sub-rede de dermocosméticos na Amazônia a partir do uso sustentável de sua biodiversidade com enfoques para as cadeias produtivas da castanha-do pará e dos óleos de andiroba e copaíba. Parcerias Estratégicas. Cento de Gestão de Estudos Estratégicos – GEEE. V. 14, N. 28, jun, Pp. 51-118.

FRICKMANN, F. dos S. e S., VASCONCELLOS, A. G. 2010. Oportunidade para a inovação e aproveitamento sustentável da biodiversidade amazônica em bases sustentáveis. Revista T&C Amazônia. Ano VIII - N°. 19. Pp. 20-28. https://portal.fucapi.br/tec/artigos.php

FRICKMANN, F. S. E. S.; VASCONCELLOS, A. G. 2011. Research and patent of phytotherapeutic and phytocosmetic products in the brazilian Amazon. Journal of Technology Management & Innovation. v.6, p.136-150, ISSN/ISBN: 07182724. Homepage: http://www.jotmi.org/index.php/GT/article/view/art226/660.

GIZ. 2012. Oportunidades de Apoio a Atividades Produtivas Sustentáveis na Amazônia- Subsídios para debate. 200p.

GOTTLIEB, O.R. & BORIN, M.R.M.B. 2002. Shamanism or science? Anais da Academia Brasileira de Ciências, 74(1):135-144.

HOMMA, A. K. O.. 2008. Extrativismo, Biodiversidade e Biopirataria na Amazônia. Texto para Discussão 27. Embrapa Informação Tecnológica, Brasília/DF. 101p.

JORNAL DA CIÊNCIA. 2009. Estados buscam amparo para pesquisa científica e tecnológica. Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência. ANO XXIII, N. 641 Rio de Janeiro, 3 de abril ISSN 1414-655X.

KRUGMAN, P. R.. 2009. A Crise de 2008 e a Economia da Depressão. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro : Elsevier, – 3ª. Reimpressão.

LIMA, F. D., GIESBRECHT, H. O., e LIMA, S. U.. 2007. Indicação Geográfica: agregação de valor aos produtos amazônicos. T&C Amazônia, Ano V, Número 11.

MOREIRA, E. & MILEO, P. B.. 2003. Os impactos da concessão de marcas e patentes relativas á biodiversidade amazônica no âmbito das relações de comércio exterior do Estado do Pará. Relatório apresentado á Secretaria de Indústria, Mineração e Comércio do Estado do Pará. Núcleo de Propriedade Intelectual, Grupo de Pesquisa sobre patentes biotecnológicas. Centro Universitário do Pará - CESUPA. 176p.

REVILLA, J.. 2007. Mapeamento da Biodiversidade Amazônica: potencialidade dos fitos. T & C Amazônia, Ano V, N. 11, Jun. 18- 25.

SANTILLI, J. 2005. A proteção jurídica dos conhecimentos tradicionais. In: O direito e o desenvolvimento sustentável: curso de direito ambiental/ Organizador: Aurélio Virgílio Veiga Rios. São Paulo, Peirópolis; Brasília – DF: Instituto Internacional de Educação do Brasil – IEB. ISBN: 85-7596-051 – 2. 411p. Pp: 75-85.

SILVEIRA, J. M. F. J. da, BORGES, I. de C., FONSECA, M. da G. D.. 2007. Biotecnologia e Desenvolvimento de Mercados: Novos Desafios, Novos Conceitos? In: Dimensão do Agronegócio Brasileiro: Políticas, Instituições e Perspectivas. Pp: 318-357.

SILVEIRA, J. M. F. J. da & BORGES, I. C de. 2004. Um Panorama da Biotecnologia Moderna. In: Biotecnologia e recursos genético: desafios e oportunidades para o Brasil/ organizado por José Maria Ferreira Jardim da Silveira, Maria Ester Dal Poz, Ana Lúcia Assad. Campinas/SP: Instituto de Economia/FINEP.

SUFRAMA. 2003. Zona Franca de Manaus: interiorizando o desenvolvimento no interior do Estado. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – Superintendência da Zona Franca de Manaus – SUFRAMA. Amazonas. Pg.11. 190p.

VASCONCELLOS, A. G., RODRÍGUES, R. L.. 2008. Potencial de inovação e patenteamento de fitoterápicos no Brasil: considerações à luz da legislação de acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado. Resumos de Trabalhos da V Jornada Catarinense e I Jornada Internacional de Plantas Medicinais. 8 a 12 de maio de 2006, Joinville, SC, Brazil.

YOUNG, C. E. F. & FAUSTO, J. R. B..1998. Valoração de recursos naturais como instrumento de análise da expansão da fronteira agrícola na Amazônia. Instituto de Pesquisas.




DOI: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242013000300022



Copyright (c)



2017 © Universidad Alberto Hurtado - Facultad de Economía y Negocios. 
Erasmo Escala 1835 - Santiago, Chile.
Economic Analysis Review | Observatorio Económico | Gestión y Tendencias